Páginas

sábado, 31 de julho de 2010

A lixeira

















- Arrancaram-lhe a cabeça! - gritou alguém em meio aos que se aglomeravam no lugar.
- Mas quem faria tamanha maldade? - perguntou outro que se aproximava manso, curioso. Ninguém soube responder. E aos poucos foram se afastando, porque as horas comiam os minutos e havia outras coisas mais importantes a pensar.
- Estou viva! – tentava dizer. Mas ninguém a ouvia.
Sentada ali perto, brincava um menino, sujo em sua infância pobre, feliz em sua inocência. Levantou-se, saindo do seu mundo de heróis e personagens encantados, colheu algumas flores, aproximou-se da lixeira onde estava jogada a cabeça atenta e, à sua maneira, fez uma última homenagem. Ficaram ali, cabeça e flores. Tão vivas e já tão mortas. O tempo passou sobre elas e nem as notou. Os olhos, de um azul-alegre, foram adquirindo um tom cinza-triste. E a vida, até então plena, foi se esvaindo feito areia fina em mão descuidada.
O menino continua sentava perto num respeitoso silêncio. Riam-se dele. Afinal, onde já se viu chorar por algo que já nasceu morto? A nada ele respondia, porque só ele, em sua inocente infância, entendia a vida que havia naquela cabeça de boneca e, principalmente, naqueles olhos.
Uma voz ao longe, cheia de autoridade, chamou o menino de volta ao mundo real e ele levantou de forma obediente. Aproximou-se da lixeira, olhou para aquele rosto e num gesto de carinho se despediu.
Restaram cabeça e flores. Ambas mortas. Esquecidas em uma lixeira qualquer. O menino afastou-se lentamente, levando nas mãos olhos que não os seus...




imagem_ lixo a céu aberto _ josé meneses
música_ claudia's theme _ laurindo de almeida



Um aparte: a música é algo como um hino e como tal deve ser ouvida. É daquelas músicas que entram por cada poro da pele, do corpo, da alma. Fechar os olhos e ouvir. Sentir, apreciar cada nota, degustar cada emoção. É perfeita!
.

7 comentários:

  1. Todos os dias morre um amor.
    Morre sem um beijo antes de dormir.
    Sem mãos dadas, sem olhares compreensivos.
    Sem o gosto salgado de uma lágrima nos lábios.
    Morre apenas porque nos fartamos.
    Esta é a lição: qualquer amor pode morrer!
    .
    E uma vez mortos - nem importa que traços têm ( se de amizade ou não), que marcas deixam, que sentimentos provocam - o destino é um só: uma grande lixeira a céu aberto.

    ResponderExcluir
  2. Nossa, que triste....

    ResponderExcluir
  3. .
    Passeava pelo luar, quando tropecei naquele redondo, que antes continha o olhar, logo, cristais de improvisos e brumas de sal atearam o fogo em labaredas enormes em cor de fractal...deslizaram nos céus gotas de sal roladas, pedaços voláteis de ira incandescente, odores de harpa em infinito anel.
    ..
    Eu voei para o outro lado da lua e um dia perguntei-te qual a cor do outro lado do sol....aquela arredondada forma, ali deitada, sorriu leve[mente] e falou-me de olhar afiado, olhando sem olhos para dentro do fundo da alma e disse - é da cor do pensamento.
    ...
    Disse-lhe - vou partir, toquei a minha lira na fina travessia do baldio a céu descoberto, como quem no limbos dos mundos caminha entre desertos e distantes estepes, peguei meu bordão intemporal e parti no ventos de sinuosos cristais...era serena a noite e descia lenta[mente], acendendo na esfera os olhares luminosos dos deuses em curvas graduais...
    ....
    Sem ódios trajados ou intentos de maldade, que a luz te envolva em doce harmonia no tom sagrado da cor em rubro desenhada, deixo para o olhar um delírio pintado na tela e um odor inebriante de terra orvalhada...

    ResponderExcluir
  4. Anônimo...
    .
    Boa tarde (quase noite, pq ela ja se avizinha lenta e decidida)..*rs

    E o pensamento pode ser feito de tantas cores, de tantas misturas, de tantas loucuras. As cores do pensamento...tenha o teu as mais belas cores e q essas possam pintar o mundo por onde passares dos mais variados tons: dos tristes aos alegres, pq uns sem os outros até perdem o sentido.Que possas sempre voar e que teus voos sejam o melhor de tua vida.
    .
    Beijo com carinho e grata pelas belas letras
    .

    ResponderExcluir
  5. agradecendo e retribuindo o carinho da visita ... gostei de viajar por aqui ... emoção e sensibilidade puras, traduzidas e decodificadas em palavras ... voltando sempre ...

    bjux

    ;-)

    ResponderExcluir
  6. Agradeço da mesma forma tua visita.
    .
    Abraçao!

    ResponderExcluir

Minhas letras são sementes que precisam do teu olhar, da tua presença, para germinarem e gerarem algum tipo de alimento para a alma.
Obrigada pela presença.